A A A

XXI Instituto

 

 

Atenção: Prezados congressistas, pedimos que, antes de se inscrever nos cursos, confiram a tabela de valores abaixo. Informamos que, depois de inscritos no XXI INSTITUTO, o congressista fica impossibilitado de alterar ou excluir os cursos selecionados. A ABRALIN não se responsabiliza pela escolha realizada pelo congressista.

 

 

Se você deseja participar do VIII Congresso Internacional e do XXI Instituto da ABRALIN, você deve preencher a ficha de inscrição completa, presente nesse LINK.
Porém, caso deseje apenas se inscrever no XXI Instituto da ABRALIN, você deve clicar no link abaixo:

(Para todos que já estão inscritos, a inscrição no instituto deve ser realizada através da área reservada ao lado)

 

 

Cursos Primeiro Módulo (15h) – 28 a 30 de janeiro de 2013

 

 

Manhã – 8h às 12h

 

MC-01                                                                   Laboratory Phonology

                                                                                    Mariapaola d'Imperio (University of Provence)

 

Laboratory Phonology deals with the cognitive aspects of phonological structure with the aim of exploring, though different kinds of experimental methods, the interaction between the physical properties of speech (acoustic and articulatory) and how we produce, process and store it in mental representation. The goal of this course is to prepare to engage in experimental investigations of questions related to linguistic theory, focusing on the phonetics and phonology of prosody and intonation.
The minicourse will consist of 3 2-hour lectures, followed by 1-hour hands-on exercises (we will mainly use Praat and R).

The course will be organized around 3 main topics (subject to revision):

• Basics of intonational phonology: stress, accent, tune, tonal association
• Tonal alignment: acoustic, articulatory and perception studies
• Intonation and the marking of focus

In the process of investigating these topics, we will cover basic concepts of laboratory phonology, of phonological theory, basic acoustic analysis, speech perception, and methodology for the study of prosody. Reading material will be mainly drawn from chapter 9 and 11 of the Handbook of Laboratory Phonology (Cohn, Fougeron & Huffman, 2012).

REFERENCES
Cohn, A. C., Fougeron, C. and M. K. Huffman (2012). The Oxford Handbook of Laboratory Phonology, Oxford: OUP Press.
• Chapter 3: “Conceptual foundations of phonology as a laboratory science”, Janet B. Pierrehumbert, Mary E. Beckman, and D. Robert Ladd.
• Chapter 9: “Prosodic analysis”, Pilar Prieto, Brechtje Post, and Francis Nola.
• Chapter 11: “Prosodic representations”, Sônia Frota, Amalia Arvaniti, and Mariapaola D’imperio.

 

 

MC-02                                                                         WHY MOVE?

                                                           Shigeru Miyagawa (Massachusetts Institute of Technology)

 

 

“Why Move?”

This course traces the development of movement operations in generative grammar from the early Standard Theory to the recent Minimalist Program. We will take up issues such as:

• Locality — Superiority, Relativized Minimality, etc.
• That trace
• Motivation for movement
• Possibilities for optional movement

DAY 1 (Monday)
“On Wh-movement”
Trace the idea of movement, locating the origins of concepts known today as “phases,” “Phase Impenetrability Condition,” and A/A’-movements.

DAY 2 (Tuesday)
“Probes and Goals”
Look at the development of the Probes & Goals system. We will look closely at that –trace effect as an example of how this system deals with an intricate phenomenon.

DAY 2 (Wednesday)
“Why Agree? Why Move?”
Look at how agreement and movement work within a minimalist-type approach, with the goal of trying to understand why agreement and movement occur in human language. Time permitting, we will also look at optional movements.

Material will be drawn from a variety of sources including:

Chomsky, N. 1977. “On Wh-movement.” In P. Culicover, T. Wasow and A. Akmajian eds., Formal Syntax. Academic Press.
Miyagawa, S. 2010. Why Agree? Why Move? LI Monograph. MIT Press.
Miyagawa, S. 2011. “Optionality.” In C. Boeckx, ed., The Oxford Handbook of Linguistic Minimalism.
Pesetsky, D. 2000. Movement and its kin. LI Monograph. MIT Press.
Pesetsky, D. and E. Torrego. 2001. “T-to-C movement: causes and consequences.” In M. Kenstowicz, ed.,  Ken Hale: A Life in Language. MIT Press.
Rizzi, L. 1990. Relativized minimality. LI Monograph.  MIT Press.

 

MC-04                                                        TOPICS IN ARGUMENT STRUCTURE

 Artemis Alexiadou (Universitat Stuttgart)

 

A central question in modern linguistic theory concerns the way the lexicon interacts with the core computational system (morphology/syntax) underlying word and sentence formation. The complexity of the correspondences between lexical representations and syntax is particularly striking in the verbal domain. In particular, verbs, as classifiers of events, are associated with arguments representing the participants in these events, and the arguments are realized in syntax in various and complex ways (the verb’s argument realization patterns/argument alternations). Another area of complexity is that of deverbal nominalization, the question there primarily being whether (and how much of) the argument structure of the base verb is inherited by the nominalization.  In this course, we will be concerned with identifying  the syntactic heads  that have been argued to be relevant for argument structure and the primitives that are implicated in argument alternations in both in the noninal and the verbal domain.

 

MC-05                                          THE SYNTAX OF ADPOSITIONAL PHRASES

Marcel denDikken (The City University of New York)

 

 

This minicourse looks at the syntax of the adpositional phrase (where ‘adposition’ is a cover for prepositions, postpositions and circumpositions). Having lingered in the margins of generative syntax for a long time (Van Riemsdijk 1978 and Emonds 1985 being among the few to have given the syntax of PP some attention early on), adpositions have enjoyed the limelight over the last two decades. Starting with Van Riemsdijk’s (1990) introduction of the functional category p outside the lexical PP, the principles-&-parameters frame­work has developed a dense functional structure for adpositional phrases (see Koopman 2000, 2010; Huijbregts & Van Riemsdijk 2007; Svenonius 2008, 2010; Den Dikken 2003, 2010; and several dissertation-size studies conducted in the new millennium, incl. Helmantel 2002, Botwinik-Rotem 2004, Asbury 2008, Gehrke 2008, Pantcheva 2011). The internal mor­pho­syntax of adpositions is rich in detail and cross-linguistic variation — in this realm, we will study (a) word order variation, (b) stranding vspied-piping and the restrictions on extraction from PP, (c) dropping of prepositions (‘P-drop’), and (d) doubling of prepositions (‘P-doubling’). The external distribution of PP leads us to an investigation of (e) locative inversion, (f) PP-extraposition (both PP-extraposition from noun phrases and ‘PP-over-V’), and (g) P-alternations (applicatives, dative shift). The age-old question of whether prepositions represent a lexical cate­gory will be addressed in the context of a discussion of (h) the relation between prepositions and particles, and (i) the relation between prepositions and case.

 

MC-07                               AS CATEGORIAS TEMPO-ASPECTO E MODALIDADE EM PORTUGUÊS

Helena Valentim (FCSH-Universidade Nova de Lisboa / CLUNL)

Janete Bessa NEVES (PUC-RIO / CLUNL)

É objetivo deste curso propor uma abordagem reflexiva, teoricamente enquadrada na visão semântico-enunciativa, sobre o funcionamento do português contemporâneo,  numa perspectiva contrastiva entre as variedades brasileira e europeia. Para tal, parte-se da identificação do que são as categorias de determinação tempo-aspecto e modalidade, sem excluir a determinação nominal, que confluem para a determinação global do enunciado e para a sua significação.

Partiremos da observação de um corpus variado constituído por textos jornalísticos, literários e outros, dentre os quais identificaremos diferentes configurações linguísticas que podem marcar a construção de diferentes valores temporais, aspectuais e modais.

Colocar-se-á em destaque a possibilidade de chegar a princípios estabilizadores do que é o funcionamento linguístico neste âmbito, mas sempre numa articulação com a deformabilidade dos valores construídos, de acordo com a variabilidade das formas linguísticas, dependente quer do cotexto (ou contexto linguístico), quer do contexto situacional, nomeadamente da prática discursiva que permite enquadrar toda e qualquer produção linguística.

Este curso integrará uma componente prática que consistirá na aplicação da reflexão proposta e das conclusões alcançadas na elaboração de materiais didáticos. A natureza e destinatários virtuais dos materiais didáticos a produzir dependerão dos interesses e motivações individuais dos participantes do curso.

 

 

MC-08                                                                        LA SCAPOLINE

(LA THÉORIE SCANDINAVE DE LA POLYPHONIE LINGUISTIQUE)

Henning Nolke (Aarhus Universitet - Dinamarca)

 

Ce minicurso donnera une introduction à la ScaPoLine qui est une théorie énonciative et formelle de la polyphonie linguistique et qui vise à constituer un outil opératoire pour les analyses linguistiques et textuelles. Le minicurso se composera de six séances. Dans la première, je donnerai une introduction à la linguistique énonciative, son histoire et la situation actuelle en France, et dans la deuxième une introduction de la notion de polyphonie et de ses différentes théorisations linguistiques. Les trois séances suivantes seront consacrées à la ScaPoLine. Après une introduction des éléments de la théorie, je proposerai des analyses de divers phénomènes linguistiques tels que le subjonctif, les modalités, les connecteurs et la négation, mais aussi de phénomènes plutôt textuels et/ou discursifs comme le discours rapporté et l’ironie. Enfin dans les dernières séances, j’aborderai l’analyse proprement textuelle et discuterai du potentiel explicatif et analytique et des perspectives de collaboration interdisciplinaires qu’offre la ScaPoLine.

PROGRAMME

28.1.

La linguistique énonciative

  • Introduction à la théorie
  • Historique
  • Branches

La polyphonie dans tous ses états et la polyphonie linguistique

  • La polyphonie musicale ; la polyphonie littéraire ; la polyphonie du discours
  • La polyphonie linguistique
    • L’« arbre historique »
    • Oswald Ducrot (& J.-C. Anscombre) (le « tronc »)
    • TAP (Marion Carel et Oswald Ducrot)
    • La Théorie des Stéréotypes (J.-C. Anscombre)
    • La TRD (Pierre Patrick Haillet)
    • La ScaPoLine (Henning Nølke et al.)
    • La TMP (Hans Kronning)

29.1.

La ScaPoLine: introduction

  • Fondement conceptuel et visions
  • Le locuteur
  • La configuration polyphonique
    • Les êtres discursifs (ê-d) : les trois personnes
    • Les points de vue (pdv)
    • Les liens énonciatifs (liens)
    • LOC

La ScaPoLine et analyses linguistiques

  • LOC (approfondi)
  • La structure polyphonique
  • Analyses linguistiques, par exemple :
    • Le subjonctif
    • Les modalités d’énoncé
    • Les modalités d’énonciation
    • Les connecteurs

30.1.

Analyses linguistiques et textuelles

  • Le discours rapporté
  • L’ironie
  • La ScaPoLine étendue
  • Exemples d’analyses textuelles

Analyses linguistiques et littéraires – bilan et perspectives

  • Collaboration entre linguistes et littéraire
  • Bilan
  • Perspectives
  • Discussion

MC-09                                                            CURSO SOBRE OS ATOS DE DISCURSO

 

Daniel Vanderveken (UQTR)

Candida Jaci (UFRN/UQTR)

Vamos explicar a hipótese fundamental de que os atos ilocucionários são as unidades principais de significação e de comunicação literal no uso e na compreensão das línguas naturais. Vamos presentar o interesse filosófico e os critérios de adequação de uma semântica geral dos atos de discurso e definir o lugar e o papel da teoria dos atos de discurso na semiótica. Vamos  depois  analisar a forma lógica das forças ilocucionárias e definir todas as condições de felicidade das enunciações no uso duma língua natural Nosso curso apresentara também uma nova análise lógica das proposições, levando em conta o fato de que as proposições são, ao mesmo tempo, o sentido dos enunciados e o conteúdo das ilocuções e atitudes. Esta análise constrói os critérios de identidade proposicional adequados para a teoria dos atos de discurso.
Nosso objetivo principal é presentar os princípios lógicos básicos da teoria da significação, do sucesso, da verdade e da satisfação da semântica formal dos atos de discurso. Vamos enumerar leis lógicas fundamentais que regem os atos de discurso e os enunciados, as quais são importantes tanto do ponto de vista filosófico quanto linguístico. Nosso curso mostrará que a razão e a linguagem são inseparáveis na determinação da significação e que os falantes são minimamente racionais na realização dos atos de discurso. Enfim, vamos na última aula formular uma análise semântica sistemática dos principais verbos performativos da língua portuguesa.

 

MC-10                                                               ADULT SENTENCE PROCESSING

 Lyn Frazier (UMass)

 

This mini‑course will provide an overview of how adults identify phrase structure and movement dependencies, and then focus on the processing of ellipsis and the syntax‑discourse interface.  It will be argued that understanding adult sentence comprehensions both interesting as an end in itself and also required in order to construct an insightful grammar given that intuitions of badness can be due to either unacceptability or ungrammaticality. Further, it will be argued that some inputs may appear to be grammatical though actually they are only familiar, e.g., as syntactic blends, and are automatically restored to a form with the intended interpretation. The mini-course will touch on processing VP ellipsis, Sluicing, Fragment-Answers to Questions, and implicit questions or QUDs (Roberts, 1996).

 

 

MC-12                                                                  TÓPICOS EM ANÁLISE DO DISCURSO

 Sírio Possenti (UNICAMP)

 

O mini-curso tratará de três temas, com o objetivo de expor e debater algumas teses recentes em sua relação com posições clássicas da análise do discurso.

 

  1. Formação discursiva, semântica global e simulacro
  2. Interdiscursividade, intertextualidade e memória
  3. Destacabilidade, sobreasseveração e aforização

Bibliografia

Courtine, J.-J. O discurso comunista endereçado aos cristãos. São Carlos: Edufscar

Fiorin, J. L. Interdiscursividade e intertextualidade. In. Brait, B. (org). Bakhtin: outros concitos-chave. São Paulo: Contexto.

Maingueneau, D. Gênese dos discursos. S. Paulo: Parábola

Maingueneau, D. Doze conceitos em análise do discurso. S. Paulo: Parábola

Maingueneau. D. Cenas da enunciação. S. Paulo: Parábola

Maingueneau, D. Les phrases sans texte. S. Paulo: Parábola

Pêcheux, M. et al. Papel da memória. Campinas: Pontes.

MC-48      COMO DOCUMENTAR LÍNGUAS E CULTURAS INDÍGENAS ATRAVÉS DE GRAVAÇÕES DIGITAIS DE ÁUDIO E VÍDEO; OS EQUIPAMENTOS, MÉTODOS E TÉCNICAS MAIS RECENTES. 


Denny Moore (Museu Goeldi - MCTI)

 

O minicurso trata de tudo que você quer saber sobre gravação digital de áudio e vídeo para documentação linguística, com ênfase nos equipamentos semi-profissionais de alta capacidade, mas baixo custo, especialmente um kit básico para associações indígenas gravar histórias antigas, músicas e conhecimentos.  Treinamento será oferecido no manuseio de gravadores, microfones e aparelhos de iluminação; também na edição de áudio e vídeo no microcomputador, com pequenos projetos estudantis.

MC-43                                           MUDANÇA LINGUÍSTICA: PROCESSO SOCIOCOGNITIVO

Marcos Bagno (UnB)

 

A mudança linguística tem sido verificada desde que os primeiros gramáticos, no mundo helenístico, se debruçaram sobre o estudo da língua e seu funcionamento. No entanto, ela sempre foi considerada de maneira negativa, como uma ruína ou corrupção do idioma. Somente no século XIX, com o surgimento da filologia comparada, os processos de mudança linguística passaram a ser vistos como fenômenos intrínsecos à própria natureza das línguas humanas. Em meados do século XX, a sociolinguística variacionista fez do par variação/mudança seu objeto de investigação, concluindo que é a variação que leva à mudança. Faltava, porém, responder não somente como as línguas mudam, mas também por que mudam. A teoria mais atual postula que a mudança linguística decorre de três grandes causas: das limitações físicas do ser humano (capacidade de memória, limitações do aparelho fonador etc.), de processamentos cognitivos fundamentais (abdução, reanálise, recategorização, metaforização, economia de processamento etc.) e da interação sociocultural (variação linguística correlata à variação social). O curso pretende oferecer um panorama sucinto dessas novas postulações teóricas.

MC - 51                                       TÓPICOS NA AQUISIÇÃO DE PRONOMES CLÍTICOS

Maria Lobo

 

Este minicurso está centrado na aquisição dos pronomes clíticos, contemplando dados de produção e de compreensão. Consideraremos diferenças interlinguísticas nos padrões de aquisição de pronomes clíticos e discutiremos diferentes hipóteses explicativas para o fenómeno de omissão de clíticos na aquisição, para os padrões de colocação de clíticos na aquisição e para a interpretação de pronomes clíticos, pronomes fortes e categorias nulas na aquisição. Discutiremos de que forma os padrões e ritmos de aquisição são determinados pelo estatuto morfológico dos pronomes e pela complexidade gramatical da língua-alvo.

 

 

Tarde – 14h às 18h

MC-13                                          FONOLOGIA DO PORTUGUÊS: ACENTO E SÍLABA

José S. Magalhães (UFU)

 

O objetivo primeiro deste minicurso é traçar um panorama geral da fonologia do português brasileiro no que diz respeito à sua descrição e análise teórica. Para tanto, será dada atenção especial ao acento primário e à sílaba. Considerando que o sistema de acento primário do português possui certas irregularidades que não são tratadas de forma convergente pelos analistas, abordaremos análises que levam em consideração modelos métricos já considerados clássicos, como os de Halle & Vergnaud (1987) e de Hayes (1995), bem como modelos mais recentes que se valem de restrições (Magalhães 2008, 2010). No que se refere à sílaba, a abordagem deverá ser situada no modelo não linear hierarquizado de Selkirk (1982), conforme aplicado ao português por Bisol (1999) e também nos moldes da Teoria da Otimidade (Alves e Keller 2010).

MC-14                              PRONÚNCIA DO INGLÊS PARA FALANTES DO PORTUGUÊS BRASILEIRO

Thaïs Cristófaro Silva (UFMG)

 

Pré-requisito e informações adicionais:

a) nível de inglês intermediário I (mínimo)

b) desejável que tenha conhecimento de Fonética e Fonologia do Português.

c) para os matriculados para obtenção de créditos é necessário ler previamente o livro “Pronúncia do Inglês para Falantes do Português Brasileiro” de Thaïs Cristófaro Silva. Editora Contexto. São Paulo. 2012.

 

Avaliação para créditos: Prova individual e resenhas

 

Ementa:

Este curso tem por objetivo discutir a organização segmental da língua inglesa apontando características da organização sonora do inglês britânico e americano. Ênfase é dada aos aspectos da pronúncia de falantes brasileiros de inglês. O curso oferece um panorama sobre a organização sonora da língua inglesa e capacita os alunos para avaliarem a própria pronúncia em inglês. Adicionalmente, o curso tem como propósito oferecer instrumental para professores de inglês atuar com aspectos de pronúncia em sala de aula.

MC-15                                     ASPECTS OF THEORETICAL AND DEVELOPMENTAL SYNTAX

Adriana Belletti (University of Siena)

Carlos Mioto (UFSC/UFFS)

Mary Kato (UNICAMP)

The mini-course will concentrate on the following three topics:

i. The cartographic analysis of focalization with special attention to the way it is implemented in cleft sentences in a comparative perspective.

ii. The analysis of the processing of relative clauses in children development and in adults, with special attention to the role and relevance of the grammatical principles of syntactic locality.

iii. The analysis of the derivation of passive a related structures — such as causatives and psych-verbs — with special attention to its implications ror acquisition.

 

Although (partly) independent from one another, the different topics will be addressed in a homogenous way by taking as leading ideas (i) the cartographic analysis of syntactic structures and (ii) the principle of locality of syntactic derivations. It will be shown how these ideas can guide in the understanding of complex descriptive aspects of the constructions investigated as well of the developmental path of their acquisition.

MC-16                    SINTAXE HISTÓRICA COMPARATIVA: UMA ABORDAGEM BASEADA EM DADOS DE CORPUS

Anthony Kroch (university of Pennsilvanya)

Charlotte Galves (UNICAMP)

 

The course will present a comparative analysis of word order change in English, French and Portuguese. The data will be drawn from large syntactically annotated corpora - the Penn Parsed Corpora of Historical English, the MCVF Historical Corpus of French, and the Tycho Brahe Corpus of Historical Portuguese. All the three languages had a V2 topicalization syntax at some point of their histories, and they all lost it. We'll compare the dynamics of this loss in each language, aiming at understanding how information structure and syntax interact in each of them, and how other syntactic properties of the languages involved - for instance null subject or OV order - interfere in the realization and evolution in time of verb-second properties. We'll show that the availability of large annotated historical corpora of different languages enables us to perform a new comparative historical syntax, on the basis of which the conditions and nature of parameter changes can be better understood.

MC-17                                                               INTRODUÇÃO À SEMÂNTICA FORMAL

 Renato Basso (UFSCAR)
Rodolfo Ilari (UNICAMP)


Neste minicurso, veremos alguns dos principais conceitos e ferramentas de análise usadas na semântica formal. No primeiro, dia veremos alguns dos conceitos básicos, a diferença entre semântica e pragmática, a relação entre semântica e sintaxe e os tipos de fenômenos que a semântica formal pode estudar - esses serão os tópicos do primeiro dia. No segundo dia, analisaremos uma série de fenômenos do português brasileiro usando o ferramental da semântica formal, centrando nosso foco em fenômenos que tem a ver com o sintagma nominal, introduzindo os conceitos de quantificação e escalas. Finalmente, no terceiro dia, utilizaremos as ferramentas vistas para lidar com fenômenos do domínio verbal, como tempo, aspecto e progressão temporal.

MC-19                                                             AQUISIÇÃO DE LÍNGUA MATERNA

Teresa Cristina Wachowicz (UFPR – Fundação Araucária)

 

O curso tem um duplo objetivo de apresentar um panorama dos trabalhos em aquisição de língua materna, focando no percurso das pesquisas brasileiras das últimas décadas, bem como de percorrer os fundamentos teóricos e orientações metodológicas de diferentes tendências de tratamento ao tema.  Nesse intuito, dividiremos a exposição em três grandes partes: 1) História: a vertente sócio interacionista (DelRé 2010) versus a vertente inatista (Correa 2006), pressupostos, implicações metodológicas e bases teóricas. 2) Método: dados longitudinais versus dados experimentais, dados de produção versus dados de compreensão, análise qualitativa versus análise quantitativa, técnicas experimentais, implicações de análise e inferências teóricas (Lopes 2010). 3) Teoria: avaliação de orientações teóricas de fundamentação de bootstrapping – a motivação linguística para a aquisição: prosódico, sintático, semântico, discursivo (Gleitman 1990, Pinker 1989, Bloom 1999, dentre outros). Toda a discussão será permeada por apresentações de experimentos, em suas opções metodológicas e análises teóricas.

MC-20                                      NEUROPLASTICIDADE E BILINGUISMO/APRENDIZAGEM DE L2

 Márcia Zimmer (UCPEL)

 

Este minicurso trata da relação entre bilinguismo/aprendizagem de línguas adicionais (L2, L3, Ln) e neuroplasticidade sob a perspectiva emergentista da teoria dos sistemas dinâmicos (Beckner et al, 2009). Para isso, três tópicos principais são abordados, com apresentação de evidência empírica: 1) conceitualização de neuroplasticidade e revisão da noção de período crítico; 2) proficiência em L2, neuroplasticidade e organização cerebral das línguas; 3) neuroprocessamento da representação e do controle na língua materna e na(s) língua(s) adicionais.

MC-21                                                                            Introdução AO GodVarb X

Maria Marta Pereira Scherre (UnB/cnpq)

 

ementa

Sociolingüística Variacionista.  Análises de fenômenos variáveis. Variável dependente binária e eneária. Variáveis independentes ou grupos de fatores. Principais ferramentas metodológicas: Goldvarb X. Sobre o uso de textos em word para a codificação de dados: como  evitar problemas. Sobre o uso de dados previamente codificados. Análises de dados. Geração de percentagens (freqüências relativas) e de pesos relativos (freqüências relativas corrigidas). Interpretação de percentagens e de pesos relativos. Tabulação cruzada. Cruzamento de variáveis no Goldvarb X. Interpretação estatística e interpretação lingüística.   

 

programa

 

  1. introdução: Sociolingüística Variacionista.  Análises de fenômenos variáveis. Variável dependente binária e eneária. Variáveis independentes ou grupos de fatores.
  2. Uso do Goldvarb X - o pacote Varbrul para ambiente Windows, versão 2005: ilustração com fenômenos diversos de pesquisador e doa alunos.
  3. leitura dos resultados: Interpretação estatística e interpretação linguística.

 

 

Referências:

 

Guy, Gregory R.; Zilles, Ana M. S. Sociolingüística quantitativa – instrumental de análise. São Paulo: Parábola, 2007.

 

Mollica, Maria Cecília; Braga, Maria Luiza (orgs.) Introdução à sociolingüística – o tratamento da variação. São Paulo: Contexto, 2003.

 

Pintzuk, Susan. VARBRUL programs. 1988, inédito.

 

Sankoff, David. Variable rules. In: Ammon, Ulrich; Dittmar, Norbert & Mattheir, Klauss J. (eds.) Sociolinguistics - An international handbook of the science of language and society. Berlin/New York, Walter de Gruyter, 1988, p.984-998.

 

Sankoff, David; Tagliamonte, Sali A. & Smith, E. Goldvarb X - A multivariate analysis application. Toronto: Department of Linguistics; Ottawa: Department of Mathematics. 2005.

http://individual.utoronto.ca/tagliamonte/Goldvarb/GV_index.htm#ref

 

SCHERRE, Maria Marta Pereira; CARDOSO, Caroline Rodrigues Guia rápido de instalação e uso do Goldvarb X.  Brasília/UnB: 2010. (III Encontro do GEAS - Grupo de Estudos Avançados em Sociolinguística)   

 

Tagliamonte, Sali. A. Analyzing sociolinguistic variation. Cambridge: University Cambridge Press, 2006.

MC-22                                                           TRADIÇÕES DISCURSIVAS

Alessandra Castilho Ferreira da Costa (UFRN)

Ementa:


O Modelo de Tradição Discursiva. Os três níveis do lingüístico. A lingüística de Eugenio Coseriu. Atividade do falar, língua particular, tradição discursiva e discurso. Regras da língua e regras do discurso. Processos de formação de tradições discursivas: diferenciação, mistura e convergência. TD entre repetição e evocação. O conceito de semelhança familiar de Wittgenstein. Gêneros textuais como famílias de textos. Oralidade, escrituralidade e o contínuo de proximidade e distância comunicativa. TD e variação lingüística.


Conteúdo Programático
1. Raízes do Modelo de Tradição Discursiva
2. O Modelo de Tradição Discursiva
3. Tradição discursiva e gênero textual
1. Oralidade e escrituralidade


Metodologia
Aulas expositivas, discussões, análise de textos.

Formas de Avaliação
debates; prova; listas de exercícios.

Bibliografia
Castilho da Costa, Alessandra (2010): Tradições discursivas em jornais paulistas de 1854 a 1901: gêneros entre a história da língua e a história dos textos. Trabalho apresentado ao Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, como aproveitamento do curso de Pós-Doutorado em Letras (Área de Concentração: Filologia e Língua Portuguesa).
Castilho da Costa, Alessandra (2009): “Tradições discursivas em jornais paulistas: análise de anúncios publicitários do século XIX”. In: Morais, Maria Aparecida C. R. Torres; Andrade, Maria Lúcia da Cunha Victório de Oliveira Andrade. (Org.). História do Português Paulista. Campinas: Unicamp/FAPESP, 2009, v. II, p. 325-348.
Castilho da Costa, Alessandra (2010): “Modelos de argumentação na tradição discursiva “anúncio publicitário” de 1854 a 1930”. In: Lima-Hernandes, Maria Célia: Para a História do Português Paulista. Vol. 3.FAPESP.
Castilho da Costa, Alessandra: “Transformação de gêneros discursivos em uma perspectiva diacrônica: o exemplo da notícia”. No prelo.
Coseriu, Eugenio (1980/2007): Lingüistica del texto. Introducción a la hermenéutica del sentido. Edición, anotación y estudio previo de Óscar Loureda Lamas. Madrid: Arco Libros.
Kabatek, Johannes (2001): “Cómo investigar las tradiciones discursivas medievales? El ejemplo de los textos jurídicos castellanos. In: Daniel Jacob & Johannes Kabatek (Eds.): Lengua medieval y tradiciones discursivas em La Península Ibérica: descripción gramatical, pragmática histórica, metodologia. Vervuert: Iberoamericana, 97-137.
Kabatek, Johannes (2003): “Em qué consiste o ausbau dunha língua?”. In: María Álvarez  de la Granja & Ernesto Xosé González Seoane (editores): A estandarización do léxico. Santiago de Compostela:  Consello da Cultura Galega, Instituto da Lingua Galega, 37-51.
Kabatek, Johannes (2004a): “Tradições discursivas e mudança lingüística”. In: Tânia Lobo (ed.): Para a Historia do Português Brasileiro VI, Salvador: EDUFBA (no prelo). Texto apresentado no encontro PHPB em Itaparica, Bahia, setembro de 2004. http://www.kabatek.de/discurso/itaparica.pdf
Kabatek, Johannes (2004b): “Algunas reflexiones sobre tradiciones discursivas”.In: Lexis (Lima); número especial en homenaje a José Luis Rivarola, (no prelo). http://www.kabatek.de/discurso/  (página consultada em 16 de junho de 2005).
Kabatek, Johannes (2005a): "Tradiciones discursivas y cambio lingüístico”. In: Lexis 29/2 (2005) (Lima), 151-177.
Kabatek, Johannes (2005b): “Zur Historizität von Texten", versão em português: "Sobre a historicidade de textos", tradução de José da Silva Simões, Linha d'água (São Paulo) 17, 2005, (no prelo). http://www.kabatek.de/discurso (página consultada em 21 de junho de 2005).
Kabatek, Johannes (2006): “Tradições discursivas e mudança lingüística”. In: Lobo, Tânia; Ribeiro, Ilza; Carneiro, Zenaide e Almeida, Norma: Para a História do Português Brasileiro Volume VI: Novos Dados, Novas Análises. Tomo II. Salvador: EDUFBA, 505-527.
Koch, Peter & Oesterreicher, Wulf (2007): Lengua hablada en Romania. Madrid: Gredos.
Koch, Peter (1997): “Diskurstraditionen: zu ihrem sprachtheoretischen Status und ihrer Dynamik”, in Barbara Frank; Thomas Haye & Doris Tophinke (ed.): Gattungen mittelalterlicher Schriftlichkeit. Tübingen: Narr, 43–79. Tradução de Alessandra Castilho da Costa.
Lamas, Oscar Loureda (2007): “Presentación Del editor: La Textlinguistik de Eugenio Coseriu”. In: Coseriu, Eugenio (1980/2007): Lingüística Del Texto. Introducción a la ermenéutica del sentido. Madrid: Arco, p. 19-74.
Oesterreicher, Wulf (1997): "Zur Fundierung von Diskurstraditionen", in: Frank, Barbara; Haye, Thomas & Tophinke, Doris (Hg.): Gattungen mittelalterlicher Schriftlichkeit, Tübingen: Narr (= ScriptOralia, 99), 19–41. Tradução de Alessandra Castilho da Costa.
Oesterreicher, Wulf (2006): “Mudança lingüística e recursos de expressividade na língua falada”. In: Ciapuscio; Jungbluth; Kaiser & Lopes (org): Sincronía y diacronia de tradiciones discursivas em Latinoamérica. Iberoamericana, 253-281. 
Oesterreic her, Wulf (2007): “Gramática histórica, tradiciones discursivas y variedades lingüísticas – esbozo programático” In: RHLE (Revista de Historia de la Lengua Española), 2/2007, 109-128.
Raible, Wolfgang (1992): Junktion. Eine Dimension der Sprache und ihre Realisierungsformen zwischen Aggregation und Integration. Heidelberg (Winter) (Sitzungsberichte der Heidelberger Akademie der Wissenschaften. Phil.-hist-. Klasse, Jg. 1992, Bericht 2.
Schlieben-Lange, Brigitte (1983): Traditionen des Sprechens. Elemente einer pragmatischen Sprachgeschichtsschreibung. Stuttgart.
Wilhelm, Raymund (2003): “Von der Geschichte der Sprachen zur Geschichte der Diskurstraditionen. Für eine linguistisch fundierte Kommunikationsgeschichte. Akten der gleichnamigen Sektion des XXVII. Deutschen Romanistentags”. In: Aschenberg, Heidi & Wilhelm, Raymund (Hrsg.): Romanische Sprachgeschichte und Diskurstraditionen. Tübingen: Narr, 221-236.
Wittgenstein, Ludwig (1952/2009): Investigações Filosóficas. Petrópolis: Vozes.

MC-47                                                                   EDITAR GREGÓRIO

Elias Alves de Andrade (UFMT)

 

Este minicurso contitui-se de um estudo de crítica textual, a partir do manuscrito do soneto “Ao Peccador arrependido”, atribuído a Gregório de Matos Guerra, editado por Manuel Pereira Rabelo, em “Vida e morte do Doutor Gregório de Matos” (Século XVIII), levando-se em conta seis testemunhos: um manuscrito e cinco impressos do poema. Além de serem abordados aspectos sobre a biografia do autor e sua obra, serão feitas edições fac-similar e diplomática, precedidas de definição de critérios de transcrição, seguidas de comentários de natureza paleográfica, acompanhados de edição crítica e aparato crítico, além de comentários sobre o aparato crítico, de conformidade com o que dispõem Acioli (2003), Azevedo Filho (1987), Cambraia (2005), Spaggiari & Perugi (2004) e Spina (1977), a propósito de crítica textual. Esta atividade está articulada com os projetos de pesquisa: “Estudo do português em manuscritos produzidos em Mato Grosso a partir do século XVIII” – MeEL/IL/UFMT, e com o projeto “Para a História do Português Brasileiro-Mato Grosso – PHPB-MT, integrante do projeto temático “Para a História do Português Brasileiro-PHPB” Nacional.

MC-49                                    ANÁLISE DO DISCURSO: PROBLEMÁTICAS CONTEMPORÂNEAS

Maria do Rosario Gregolin (UNESP/ARARAQUARA)

 

O curso tem o objetivo de discutir temas atuais do campo da Análise do Discurso, com ênfase nos seus desenvolvimentos no Brasil e a partir da reflexão sobre a articulação entre língua, discurso e sujeito. Partindo de sua emergência no contexto histórico francês dos anos 1970, focalizaremos o desenvolvimento conceitual que leva o campo, hoje, a postular a incorporação de teorias da linguagem de base semiológica a fim de descrever e explicar o funcionamento de textos sincréticos, que unem o verbal e o não verbal. Os temas teóricos serão tratados a partir da análise de textos da mídia impressa e da digital.

ANÁLISE DA CONVERSAÇÃO

Luiz Antonio (USP)

Este curso tem por objetivo apresentar noções básicas das ferramentas destinadas à análise de um texto

conversacional. A seguir, os itens referentes a essas noções básicas.

 

1. Análise da Conversação: histórico

2. O modelo de Sacks, Shegloff e Jefferson (1974)

3. Organização geral da conversação

3.1. Turno

3.2. Tópico

3.3. Marcadores conversacionais

3.4. Paráfrase

3.5. Correção

3.6. Pares adjacentes

3.7. Sequências inseridas

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

KERBRAT-ORECCHIONI, Cathérine (2006) [1996]. Análise da Conversação: princípios e métodos. São Paulo: Parábola.

KOCH, Ingedore G. V. (2006). Especificidade do texto falado. In: JUBRAN, Clélia C.A.S.

& KOCH, Ingedore G. V. (Orgs.). Gramática do português culto falado no Brasil:

construção do texto falado. Campinas: Editora da Unicamp, p.39-70.

MARCUSCHI, Luiz Antônio (1986). Análise da Conversação. São Paulo: Ática.

PRETI, Dino (Org.) (1993). Análise de textos orais. São Paulo: Humanitas

SACKS, Harvey; SHEGLOFF, Emanuel & JEFFERSON, Gail (1974). A simplest systematic

for the organization of turn-taking for conversation. Langage, 50 (4):696-735. (Há tradução para a lingua portuguesa na revista Veredas).

SILVA, Luiz Antônio da (2005). Conversação: modelos de análise. In: SILVA, Luiz Antônio da (Org.). A língua que falamos. Português: história, variação e discurso. São Paulo:

Globo, p.31-71.

 

Cursos Segundo Módulo (15h) – 04 a 06 de fevereiro de 2013

 

 

Manhã – 8h às 12h

MC-23                      TÓPICOS NA FONOLOGIA DAS LÍNGUAS INDÍGENAS SUL-AMERICANAS

Leo Wetzels (Université Libre d'Amsterdam)

 

Neste curso discutiremos um número de fenômenos fonológicos recorrentes nas línguas sul-americanas. Na primeira parte do curso estudaremos o uso morfológico, fonológico e fonético do traço [nasal] em várias línguas indígenas, envolvendo o funcionamento da harmonia nasal (segmentos opacos, segmentos transparentes, o comportamento das consoantes laringais, domínios, a relação entre harmonia e o sistema fonológico subjacente, etc.); o traço [nasal] na função de morfema; critérios para determinar o sistema consonantal nas línguas que não tem a oposição fonológica entre consoantes nasais e consoantes sonoras não nasais; o uso fonético do traço [nasal] como ‘enhancement’ de vários tipos de contrastes. Na segunda parte do curso discutiremos o uso fonologico de [tom], de um ponto de visto global (tipológico) e específico, estudando o funcionamento do sistema tonal em algumas línguas amazônicas específicas, comparando propostas diferentes para a mesma língua. Em princípio, a última hora de cada aula esta aberta para uma breve (15 minutos ao máximo) apresentação feita por aluno/as concernente a problemas de análise relativos aos assuntos tratados no curso. Aluno/as que queiram aproveitar da oportunidade para presentar problemas encontrados na análise dos sistemas de nasalidade e/ou tonal são convidado/as para entrar em contato com o professor por e-mail ou, ao mais tarde, no dia precedente à aula.

 

MC-24                             ESTRUTURA ARGUMENTAL DO VERBO E A HIPÓTESE INACUSATIVA

Carlos Mioto (UFSC/UFFS)

Sandra Quarezemin (UFSC)

 

Este curso parte de uma discussão sobre a estrutura argumental do verbo, a partir da Teoria X-barra, e está centrado na Hipótese Inacusativa. Verificaremos, em um primeiro momento, a noção de constituinte, de núcleo (lexical e funcional), de argumentos e de complementação. Quanto à proposta dos inacusativos, partiremos da Generalização de Burzio (1986), demonstrando a existência da classe dos verbos inacusativos em PB; reforçaremos a diferença entre ser sujeito da sentença e ser argumento externo do verbo; classificaremos os verbos inacusativos de acordo com o tipo de complemento que selecionam (CP, InfP, GerP, PartP, SC, DP); recorreremos ao fenômeno do italiano do uso dos auxiliares essere e avere; trataremos da questão do movimento do DP argumento interno para Spec IP; também mostraremos que as propriedades da inacusatividade estão presentes nas sentenças passivas; por fim, apresentaremos um resumo das classes de verbos em PB relacionadas ao número de argumentos.

 

 

Bibliografia:

BELLETTI, A. The case of unaccusatives. In: Linguistic Inquiry, New York, v. 19, n. 1, p. 1-34, 1988.

BURZIO, L. Italian Syntax: a government and binding approach. Dordrecht: D. Reisel Publishing Company, 1986.

ELISEU, A. Verbos ergativos do português: descrição e análise. 1984. 130f. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa. 1984.

HAEGEMAN, L. Thinking syntactically: a guide to argumentation and analysis. Blackwell Publishing Ltd, 2006.

LEVIN, B.; HOVAV, M. R.  Unaccusativity: at the syntax-lexical semantics interface, Cambridge (MA): MIT, 1995.

MIOTO, C.; SILVA, M. C. F.; LOPES, R. E. V. Novo Manual de Sintaxe. 3ª ed. Florianópolis: Insular, 2007.

RAPOSO, E. Teoria da Gramática: a faculdade da linguagem. Lisboa: Editorial Caminho, 1992.

MC-26                                                                   ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

 Irandé Antunes (UECE)

 

A complexidade do ensino de língua portuguesa está atrelada à própria complexidade do objeto 'língua': suas vinculações históricas, sociais, econômicas, ideológicas. Diante disso, que objetivos eleger? Que prioridades assumir? Como dimensionar as funções e os limites dos componentes 'léxico' e 'gramática' da língua? 'A norma gramatical brasileira': o que fazer diante de sua inevitável imposição? As certezas permanentes da natureza provisória de toda língua e de todo processo de seu ensino.

MC-28             O DISCURSO POLÍTICO: ESTRUTURAÇÃO COMPOSICIONAL E CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS

Sueli Cristina Marquesi (PUC-SP)

 João Gomes da Silva Neto (UFRN)

 

Ementa: Análise textual do discurso político e a distinção linguística dos níveis ou planos analíticos, com base em Adam (2011 [2008]); estudo linguístico da estrutura composicional - as sequências e os planos de texto; aspectos semânticos e enunciativos do texto, em sua relação com a estrutura composicional, na construção de sentidos relativos ao discurso político; a estruturação composicional e seus vínculos interpretativos com as ações sociodiscursivas do texto, na perspectiva das práticas genéricas do discurso político.

MC-31   ESTRATÉGIAS DE PRODUÇÃO DE TEXTO/DISCURSO COM BASE NO DIALOGISMO E EM TEORIAS DE GÊNERO

Francisco Alves Filho (UFPI)

 

O objetivo principal deste curso é discutir o que significa efetivamente produzir textos/discursos quando se assume que toda produção de linguagem é de natureza dialógica e que os textos/discursos são sempre decorrentes e vinculados aos gêneros. A partir destas duas premissas, buscaremos estabelecer critérios gerais para guiar a análise do grau de artificialismo e de autenticidade de projetos de produção de texto e para orientar a criação de situações-problema comunicativos potencialmente estimuladores de produção de texto/discurso. As seguintes noções teóricas serão discutidas e exemplificadas à luz do dialogismo e das teorias de gênero: criatividade; propósito comunicativo; réplica; autoria. As atividades práticas a serem desenvolvidas serão as seguintes: análise de propostas de produção de textos de manuais didáticos; criação de situações-problemas comunicativos culturalmente e retoricamente sensíveis, incluindo eventos deflagradores, propósitos comunicativos e tipos de interlocução. O curso será fundamentado teoricamente nas obras de Carolyn Miller e Amy Devitt sobre gêneros; nos textos do círculo de Bakhtin sobre dialogismo, diálogo e réplica; e nas reflexões de Askehave e Swales sobre propósito comunicativo.

 

MC-33                                         PROCESSAMENTO E AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

Letícia Maria Sicuro Corrêa (PUC-RIO/CNPq)

 

Processamento de informação. Níveis de abordagem para a atividade cognitiva.  Processamento linguístico: produção e compreensão de enunciados verbais. Computação sintática e teoria linguística. O problema lógico da aquisição da linguagem. Aquisição da linguagem como processamento de informação. O paradoxo do processamento da fala pelo bebê. O problema do desencadeamento da sintaxe (bootstrapping). Desencadeamento fonológico e semântico. Desencadeamento sintático e a delimitação de categorias lexicais. A progressiva especificação de traços formais.  Interface gramática-pragmática no desenvolvimento linguístico.

MC-34                                         LÍNGUA PIDGINS E CRIOULAS, E O CASO BRASILEIRO

Alan Baxter (UFBA)

 

EMENTA:

Uma introdução às teorias acerca dos processos de pidginização/crioulização para uma análise da história sociolinguística do Brasil. A base empírica será fornecida pelos resultados de análises variacionistas da fala de comunidades rurais afro-brasileiras isoladas, remanescentes de antigos quilombos.

 

PROGRAMA

1. A teoria do contato entre línguas

1.1. Breve histórico da Crioulística

1.2. Os conceitos de língua pidgin e língua crioula, a partir de parâmetros sócio-históricos e de parâmetros linguísticos

1.3. Teorias sobre a gênese e formação das línguas pidgins e crioulas

1.4. Aspectos estruturais característicos das línguas pidgins e crioulas

1.4. Os crioulos de base lexical portuguesa

1.5. O conceito de transmissão lingüística irregular

 

2. O contato entre línguas na formação do português brasileiro

2.1. Panorama da história sociolinguística do Brasil

2.2. Aspectos demográficos e etnolinguísticos da migração africana para o Brasil

2.3. Caracterização sociolinguística das comunidades remanescentes de antigos quilombos

2.4. Análises variacionistas de estrututuras morfossintáticas afetadas pelo contato

2.5. Efeitos do contato entre línguas nas diversas normas do português brasileiro

 

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

 

ARENDS, Jacques, MUYSKEN, Pieter & NORVAL, Smith (1994). Pidgins and Creoles: an introduction. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamis.

BICKERTON, Derek (1981). Roots of Language. Ann arbor: Karoma.

CARDOSO, Suzana; MOTA, Jacyra; MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia (Org.). Quinhentos anos de história lingüística do Brasil. Salvador: Secretaria da Cultura e Turismo do Estado da Bahia, 2006.

DEGRAFF, Michel. (1999). Language Creation and Language Change – Creolization, Diachrony, and Development. Cambridge: The MIT Press: 473-544.

FERRAZ, Luiz Ivens (1979). The Creole of São Tomé. Johannesburg: Witwatersrand University Press.

HOLM, John (2000). An Introduction to Pidgins and Creoles. Cambridge: Cambridge University Press.

HOLM, John (2004). Languages in Contact: the partial restructuring of vernaculars. Cambridge: Cambridge University Press.

KIHM, (1994). Kriyol Syntax – The Portuguese-Based Creole Language of Guinea-Bissau. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company.

KOUWENBERG, Silvia; SINGLER, John Victor (eds.). The Handbook of Pidgins and Creole Studies. Oxford: Wiley-Blackwell, 2008.

LUCCHESI, Dante; BAXTER, Alan: RIBEIRO, Ilza (2009). O Português Afro-Brasileiro. Salvador: EDUFBA.

MATTOS E SILVA, Rosa Virgínia (2004). Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola.

NARO, Anthony; SCHERRE, Marta (2007). Origens do português brasileiro. São Paulo: Parábola.

SIEGEL, Jeff (2008). The Emergence of Pidgin and Creole Languages. Oxford: Oxford University Press.

SILVA NETO, Serafim da. Introdução ao estudo da língua portuguesa no Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: INL, 1963.

MC-35                                   REFERENCIAÇÃO, INTERTEXTUALIDADE E ARGUMENTAÇÃO

Mônica Magalhães Cavalcante (UFC)

 

EMENTA

 

Discussão de pesquisas sobre referenciação, intertextualidade e argumentação retórica sob a perspectiva da Linguística de Texto, em interface com outras abordagens do texto e do discurso. 

 

OBJETIVO GERAL

 

Refletir sobre os critérios teórico-metodológicos que vêm orientando os estudos em Linguística de Texto que tratam de referenciação, de intertextualidade e de argumentação retórica.

 

DESCRIÇÃO DO CONTEÚDO/UNIDADES

 

UNIDADE I - A construção dos sentidos no texto verbo-visual

 

UNIDADE II –

 

1.1 Níveis de intertextualidade e técnicas de representação intertextual

1.2 Os eixos parafrásico e parodístico

 

UNIDADE III – Estratégias de argumentação retórica

 

UNIDADE IV

 

4.1 Referenciação: conceitos e aplicações

 

4.2 Estudos atuais sobre referenciação

 

4.3 Sobre a noção de dêixis

 

Metodologia De Ensino

 

Aulas expositivas e atividades de fixação do conteúdo.         

 

Avaliação

 

A avaliação consistirá da elaboração de resenhas sobre os três temas abordados. 

 

Bibliografia

 

UNIDADE I

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. 1996. The meaning of composition. In: ________. Reading images. London/New York, Routledge. p. 181-229. Tradução: Leonardo Mozdzenski (1ª versão - dezembro/2006).

SANTOS, Francisco Roberto da Silva. Multimodalidade e produção de sentidos em editoriais de revista. Dissertação, 195p. /Mestrado em Letras/. Pau dos Ferros: Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, 2011.

 

UNIDADE II

MOZDZENSKI, Leonardo Pinheiro. O ethos e o pathos em videoclipes femininos: construindo identidades, encenando emoções. Tese, 371p. /Doutorado em Letras/. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2012.

BAZERMAN, Charles. Intertextuality: how texts rely on other texts. In: What writing does and how it does it - an introduction to analyzing texts and textual practices. Califórnia: University of California, Santa Barbara, Edited by Charles Bazerman, Paul Prior, 2003.

FARIA, Maria da Graça dos Santos. Relações intertextuais de copresença e de derivação em textos verbo-visuais: por uma abordagem didática. /Projeto de tese/. Doutorado em Linguística. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2012. 

FORTE,  Jamille Saínne Malveira.  Funções discursivas de processos intertextuais. /Dissertação em andamento/. Mestrado em Linguística. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2012

 

UNIDADE III

MOSCA, Lineide Salvador. Discurso e má fé: do elogio à perversidade. Estratégias retóricas em campanhas políticas eleitorais. EID&A: Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação. Ilhéus, n.1, nov. 2011.

NEVES, Maria Helena de Moura. Texto e gramática. São Paulo: Contexto, 2006.

OLÍMPIO, Moisés Ferreira. Artigo de opinião: o orador e o auditório na perspectiva da Nova Retórica. EID&A: Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação. Ilhéus, n.1, nov. 2011.

 

UNIDADE IV

CAVALCANTE, Mônica M.; LIMA, Silvana Ma. Calixto de. Referenciação: teoria e prática. São Paulo: Cortez. (a sair)

CAVALCANTE, Mônica M.; CUSTÓDIO FILHO, Valdinar; BRITO, Mariza Angélica Paiva. Referenciação: conceitos e aplicações. São Paulo: Cortez. (a sair)

NEVES, Maria Helena de Moura. Texto e gramática. São Paulo: Contexto, 2006.

SILVA, Franklin Oliveira. Sobre o barco esquecido na praia – um estudo sobre as introduções referenciais. /Projeto de tese/. Doutorado em Linguística. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2012.

MC- 25                                                                GRAMÁTICA FUNCIONALISTA

Jose da Silva Simões (USP)

Verena Kewitz (USP)

A disciplina “Gramática Funcionalista” visa fornecer algumas definições de língua e de gramática sob diversas perspectivas, para, em seguida, explorar os postulados de gramática funcionalista, com especial atenção à abordagem multissistêmica da língua (Castilho 2010). A ênfase neste minicurso será dada aos estudos de classes de palavras aplicados ao português brasileiro.

Este minicurso tem como propósito a) discutir a proposta de análise linguística em uma perspectiva funcionalista da língua, tanto do ponto de vista da mudança gramatical, quanto de suas variedades, uma vez que estão em sua base os usos linguísticos nas mais diversas situações comunicativas e b) promover discussões a partir da análise de fenômenos específicos do Português Brasileiro em um corpus mínimo de textos orais e escritos. Entre os tópicos a serem desenvolvidos ao longo desse minicurso, destacam-se os seguintes temas:

1. Definições de língua nas perspectivas funcionalistas.

2. Os conceitos de sentença e minissentença na tradição funcionalista. A sentença simples e a sentença complexa.

3. Estrutura sintagmática da sentença. A sintaxe de classes de palavras.

4.Estrutura funcional da sentença e predicação. Princípio de Projeção.

5. Uma perspectiva funcional da linguagem: a abordagem multissistêmica. Postulados e princípios.

6. Retrospectiva dos estudos funcionalistas a partir da abordagem multissistêmica. Perspectiva pancrônica da linguagem.

Bibliografia:

CASTILHO, Ataliba T. de (1994). Um ponto de vista funcional sobre a predicação. Alfa 38: 75-96, 1994.

CASTILHO, Ataliba T. de (2007). Abordagem da língua como um sistema complexo. Contribuições para uma nova Linguística Histórica. Em: A.T. de Castilho / M.A. Torres Morais / R.E.V. Lopes / S.M.L. Cyrino (Orgs. 2007). Descrição, História e Aquisição do Português Brasileiro. Homenagem a Mary A. Kato. Campinas: Pontes / Fapesp, pp. 329-360. Versão em inglês: An approach to language as a complex system. Em A. T. de Castilho (Org. 2009: 119-136).

CASTILHO, Ataliba T. de (2010). Nova Gramática do Português Brasileiro. São Paulo: Editora Contexto.

CASTILHO, Ataliba T. de (2011b) Funcionalismo e gramáticas do português brasileiro: novos desdobramentos. Em Edson R.F. de Souza (Org). Gramática, texto e discurso, UFMS, no prelo.

ILARI, Rodolfo (1986a/1992/2004). Perspectiva funcional da frase portuguesa. Campinas: Editora da Unicamp, 3a. ed., 2004.

ILARI, Rodolfo / NEVES, Maria Helena de Moura (Orgs. 2008). Gramática do português culto falado no Brasil, vol. II, Classes de palavras e construções. Campinas: Editora da Universidade Estadual de Campinas.

NEVES, Maria Helena Moura (1997). A Gramática funcional. São Paulo: Martins Fontes.

NEVES, Maria Helena de Moura (1999). Estudos funcionalistas no Brasil. Linguística 11: 87-116, 1999. Republicado em D.E.L.T.A. 15 (número especial): 71-104, 1999.

NEVES, Maria Helena de Moura (2000). Gramática de usos do português. São Paulo, Ed. da Universidade Estadual Paulista.

 

 

 

 

 

Tarde – 14h às 18h

MC-36                                                               DINÂMICA EM FONOLOGIA

Eleonora Albano (UNICAMP/CNPq)

 

Este curso pretende demonstrar que a prática da fonologia no Brasil já está madura para aderir à visão dinâmica dos fenômenos fônicos. Tendo em conta que muitos fonólogos vêm buscando uma formação em Fonética Instrumental e/ou aderindo a modelos representacionais de cunho probabilístico, argumentar-se-á que esse grau de familiaridade com técnicas de quantificação é suficiente para respaldar o entendimento dos conceitos e métodos da Teoria dos Sistemas Dinâmicos aplicáveis à Fonologia.

O percurso proposto começa com uma introdução às noções de sistema dinâmico e sistema complexo, apoiada em raciocínio verbal ou espacial apenas (conceitos, figuras e gráficos) e, portanto, isenta de cálculos matemáticos complicados. Essa base permitirá um sobrevoo da literatura pertinente em português e em inglês. Serão, então, abordados os seguintes tópicos: alofonia e alomorfia em línguas naturais faladas; aquisição da fonologia de L1 e L2 faladas; variação e mudança fônicas. Será também destacado o papel incontornável do linguista em discernir e analisar fatos de natureza dinâmica que podem ser modelados, mais tarde, em parceria com pesquisadores de outras disciplinas familiarizados com os cálculos pertinentes.

A principal referência bibliográfica do curso é o número da Revista da ABRALIN recém-organizado em torno dessa temática.

MC-37                                                 PRAAT: FONÉTICA ACÚSTICA AO ALCANCE DE TODOS

Miguel Oliveira Júnior (UFAL)

 

O objetivo deste minicurso é apresentar as funcionalidades do aplicativo computacional Praat (www.praat.org (http://www.praat.org) (http://www.praat.org)) para a pesquisa em linguística. Para isso, conceitos fundamentais em Fonética Acústica e operações básicas do programa serão discutidos em um módulo introdutório, ao término do qual serão apresentados procedimentos de análise de oscilogramas, de espectogramas, de espectros, de formantes, de duração, de frequência fundamental, e de qualidade de voz. Também serão apresentadas técnicas de criação, edição, manipulação, filtragem e sintetização de arquivos de som, além de procedimentos de anotação alinhada e de uso/criação de scripts. Para participar deste minicurso, é necessário trazer um computador portátil com o aplicativo pré-instalado e fones de ouvido.

MC-38                                           DOS ESTUDOS TRADICIONAIS À MORFOLOGIA DISTRIBUÍDA

Maria Cristina Figueiredo Silva (UFPR)

 

Objetivos:

1. Desenvolver a capacidade crítica dos estudantes com respeito às teorias e tipologia que se aplicam à área tratada pelo nome de morfologia;

2. Apresentar ao pós-graduando as bases da morfologia gerativa

 

Programa:

1. Uma breve discussão sobre problemas clássicos de morfologia

2. Um tratamento para a flexão: o estruturalismo de Mattoso Camara Jr.

3. Um tratamento para a derivação: introdução à morfologia gerativa

4. Morfologia, sintaxe, morfossintaxe: noções de Morfologia Distribuída

 

Bibliografia:

Basílio, M. (1980) Estruturas lexicais do português: uma abordagem gerativa. Petrópolis: Vozes.

_____ (2004) Formação e classes de palavras no português do Brasil. São Paulo: Contexto.

Bisetto, A. (1995) Tra derivazione e composizione: su alcune formazioni complesse in italiano. Tese de doutoramento, Universidade de Pádova, Itália.

Bonet, E. (1991) Morphology after Syntax: Pronominal Clitics in Romance. Tese de doutorado. Massachusetts: MIT.

Camara Jr., J.M. (1970) Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes.

Cunha, C. & L. Cintra (1986) Nova gramática do português. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Katamba, F. (1993) Morphology. Londres: Palgrave Macmillan Ed.

Rocha, L.C. (1999) Estruturas morfológicas do português. Belo Horizonte: Editora da UFMG

Spencer, A. (1993) Morphological Theory. Oxford: Blackwell.

MC-39                             QUE GRAMÁTICA ENSINAR NA ESCOLA: FUNDAMENTOS DE SINTAXE

Maria José Foltran (UFPR/CNPq)

 

O objetivo deste curso é fundamentar a necessidade e importância do ensino de gramática na Educação Básica. Para isso, precisamos incorporar avanços da pesquisa linguística na descrição das línguas, em especial do português brasileiro, para que o ensino de gramática não se reduza a classificações inócuas e sem sentido. A nossa meta é mostrar que a análise sintática pode ser um exercício inteligente e interessante. Para tanto, o nosso programa é desenvolver os seguintes tópicos:

 

  1. Noções de gramática;
  2. Categorias x funções x relações;
  3. Predicados e argumentos;
  4. Complementos e adjuntos;
  5. A estrutura da oração: constituintes imediatos;
  6. Ambiguidades estruturais;

MC-44                                    PRINCÍPIOS E PARÂMETROS E AQUISIÇÃO/APRENDIZAGEM DE L2

Marcello Marcelino (UNIFESP)

 

A rapidez e facilidade com que as crianças desenvolvem a L1 é objeto de estudo de pesquisadores há tempos (Brown, 1973; Radford, 1990; Locke, 1995; Guasti, 2002). Muitos autores assumem a abordagem paramétrica para explicar o desenvolvimento sintático (Pinker, 1984; O’Grady, 1997; Meisel, 1995,2011; Snyder, 2007). Em contrapartida, questões sobre como uma L2 se desenvolve, bem como os diferentes níveis de proficiência atingidos, variam dependendo da abordagem. A partir da perspectiva da Teoria de Princípios e Parâmetros, este curso propõe a discussão da abordagem paramétrica para aquisição de L2, os conceitos de língua-I e lingua-E e os variados tipos de bilinguismo resultantes de diferentes processos linguísticos de aquisição da linguagem (Chomsky, 1965, 1995, 2000; White, 2003).

 

Palavras-chave: aquisição de L2, Princípios e Parâmetros, língua-I, língua-E.

MC-45                                                DISCURSO JURÍDICO EM PERSPECTIVA LINGUÍSTICA

Virgínia Colares (UFPE)

 

EMENTA

 

Este minicurso faz ancoragem nos princípios da análise crítica do discurso (ACD). Abordam-se as noções de discurso legal e de discurso jurídico, sendo a primeira relativa ao estudo dos textos legais: sua opacidade e condições de produção e circulação; e a segunda estuda a natureza, função e consequências do uso da linguagem ordinária em contextos jurídicos, remetendo (a) às estruturas de participação dos interlocutores na interação (b) à organização do evento jurídico de onde os textos autênticos foram extraídos e (c) às exigências legais do gênero textual no sistema jurídico nacional aplicado.

 

OBJETIVO GERAL

 

Analisar textos, contextos e práticas sociais relativos aos discursos sociais, concentrando-se em perspectivas teóricas e descritivas desenvolvidas dentro da área de Análise Crítica do Discurso (ACD).

 

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

 

•        Realizar a análise crítica de discursos legais e jurídicos, verificando o tratamento textual dado às unidades pragmáticas nos eventos de fala e de escrita na instituição jurídica; 

•        estabelecer um arcabouço teórico e metodológico que permita analisar diferentes tipos de linguagem (verbais e não verbais);

•        contextualizar as análises linguísticas dentro de um quadro maior de pesquisas sobre processos contemporâneos de mudanças sociais e culturais.

 

CONTEÚDO PROGRÁMATICO

 

•             Noção de linguagem, língua, texto e discurso;

•             Teoria da enunciação: a dêixis de pessoa, de tempo e de lugar;

•             A virada linguística: WITTGENSTEIN;

·             Teoria dos atos de fala: AUSTIN, SEARLE, GRICE.

•             Pragmática Linguística;

•             ANÁLISE CRÍTICA DO DISCURSO: perspectiva tridimensional

•      ANÁLISE DO TEXTO: controle interacional, estrutura textual, coesão, gramática textual, escolhas lexicais;

•      ANÁLISE DAS PRÁTICAS DISCURSIVAS: produção, distribuição e consumo do texto, condições da prática discursiva;

•      ANÁLISE DA PRÁTICA SOCIAL: matriz social do discurso, ordens do discurso, efeitos ideológicos e políticos do discurso.

 

REFERÊNCIAS

 

COLARES, Virgínia. Linguagem e direito. Recife : Editora UFPE, 2010. Disponível no site:http://discursolegal.webnode.com.br/.

 

COLARES, Virgínia. Análise Crítica do Discurso Jurídico: o caso da vesectomia. In: TFOUNI, L.V., INDURSKY, F., INDURSKY, F, Monte-Serratn, D.M. A Análise do Discurso e suas Interfaces. São Carlos, SP : Pedro & João Editores, 2011. p. 97-124.

 

COLARES, Virgínia. Cilada Dialética: estratégia para versões em conflito. In: Um linguista, orientações diversas. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2009, v.02, p. 79-96.

 

COLARES, Virgínia. Judicial Process: the relationships between the principle of justification and the text construction of brasilian judicial decisions.  In: Proceedings of the Second European IAFL Conference on Forensic Linguistics/Language and the Law. Barcelona : Universitat Pompeu Fabra, 2007, v.19, p. 107-117.

 

COLARES, Virgínia. Direito Fundamental à imagem e os jogos de linguagem: análise crítica do discurso jurídico. Cadernos da Escola de Direito e Relações Internacionais da UniBrasil. , v.1, p.347 - 370, 2010.

 

COLARES, Virgínia. Direito e Linguagem no Brasil. In: PINTO, Paulo Feytor, BROHY, Claudine, TÜRI, Joseph-G. Direito, Língua e Cidadania Global. Lisboa : AIDL, APP, 2009 p.541.

 

COLARES, Virgínia.  Retextualização do depoimento judicial oral em texto escrito.  Veredas: Revista de Estudos da Linguagem.  Juiz de Fora, v.9, n.01 e 02, p.29-54, jan.-dez 2005.

Link: http://www.revistaveredas.ufjf.br/volumes/veredas_juridica/artigo02.pdf Disponível emwww.revistaveredas.ufjf.br.

 

COLARES, Virgínia. Inquirtição na justiça: estratégias lingüístico-discursivas. Porto Alegre : Sergio Antonio Fabris Editor, 2003, v.2003.

 

COULTHARD, Malcolm. An Introduction to Discourse Analysis. London: Longrnan, 1977.

 

______(org.)  Advances in wrinting text analysis. London/ New York: Routledge, 1996.

 

COULTHARD, Malcolm; CALDAS- COULTHARD, Carmen Rosa. Texts end Practices: reading in Critical Discourse Analysis. London/ New York: Routledge, 1996,.

 

DASCAL, Marcelo. Interpretação e compreensão. São Leopoldo-RS: UNISINOS, [1999] 2006.

 

DIJK, Teun van. Cognição, Discurso e Interação. São Paub: Contexto, 1992.

 

_____.(ed). Handbook of Discourse Analysis. Vol. 1, Voi.2, Voi.3, Vol. 4. London: Academic Press. 1985.

 

______; KINTSCH, Walter. Strategies in Discourse Comprehension. New York: Academic Press, 1983.

 

FAIRCLOUGH, Norman.  Discurso e mudança social.  Brasília: Ed. UNB, 2001.

______. Language and Power. London: Longman, 1989.

______.. Discourse and Social Change. Cambridge: Polity Press, 1992a.

______. Critical language awareness. London: Longman, 1992b.

______. Critical discourse analysis. London: Longman, 1995a.

______. Media discourse. London: Longman, 1995b.

______. Analysing discourse: textual analysis for social research. London: Routlege, 2003.

______.. A análise crítica do discurso e a mercantilização do discurso público: as universidades. In: MAGALHÃES, C. (Org.) Reflexões sobre a análise crítica do discurso. Belo Horizonte: Fale: UFMG, 2001.

 

FOUCAULT, Míchel. Arqueologia do Saber.  Petrópolis: Vozes, 1972.

 

______.  As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

 

______  A Ordem do Discurso. São Paulo: Loyola, 1998.

 

MEURER. José Luiz. O conhecimento de gêneros textuais e a formação do profissional da linguagem. In: FORTKAMP, M.B.M. ; TOMICH, L.M.B. (org.) Aspectos da Lingüística Aplicada: estudos em homenagem ao Prof. Hilário Inácio Bohn. Florianópolis: Insular, 2000.

 

OLIVEIRA, Manfredo Araújo de. Reviravolta Linguístico-Pragmática na Filosofia contemporânea. São Paulo: Loyola, 1996.

 

PARRET, H. Enunciação e Pragmática. Campinas, SP: UNICAMP, 1988.

 

PEDRO, Emília Ribeiro (org.). Análise Crítica do Discurso: uma perspectiva sociopolítica e funcional. Lisboa: Caminho, 1998.

 

SYTIA, Celestina Vitória Moraes. O direito e suas instâncias lingüísticas. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 2002.

 

TATE, Neal; VALLINDER, Torbjörn. The Global Expansion of judicial power. New York: New York University Press, 1995.

 

THOMPSON, John B. Ideologia e Cultura Moderna: teoria social e crítica na era dos meios de comunicação de massa. 6. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, [1990] 2002.

 

WITTGENSTEIN, Ludwing.  Philosophical investigations.  Oxford: Basil Blacwell / New York: Macmillan, 1953.

 

WITTGENSTEIN, Ludwing. Investigações Filosóficas.  Trad. brasileira José Carlos Bruni. Col. Os Pensadores.  São Paulo: Nova Cultural, [1953] 1996.

 

WODAK, Ruth . Do que trata a ACD- um resumo de sua história,conceitos importantes e seus desenvolvimentos. Revista linguagem em discurso,v. 4, número especial,2004.

MC-46                          CIÊNCIAS BRASILEIRAS DA LINGUAGEM: AS TEORIAS DO DISCURSO

Roberto Leiser Baronas (UFSCAr/UFMT-CNPq)

No contexto europeu atual segundo Johannes Arguenmüller (2007), os estudos do discurso podem ser compreendidos a partir de três grandes escolas: a francesa; a anglo-saxônica e a germânica. No caso brasileiro contemporâneo, os estudos do discurso podem ser analisados a partir das escolas francesa (tributária das reflexões de Michel Pêcheux, Michel Foucault, Greimas, Charaudeau e Maingueneau); eslava (tributária das reflexões de Mikail Bakhtin e de seu círculo de estudos) e anglo-saxônica (tributária das reflexões de Norman Fairglough, Van Djik, Van Leeuwen e Wodak). Embora os estudos do discurso produzidos no Brasil possuam uma clara filiação com as escolas francesa; eslava e anglo-saxônica é possível defender a tese de que o que se produz em termos de discurso em solo brasílico são teorias brasileiras do discurso e não simplesmente uma expansão das teorias europeias para dar conta de dados discursivos produzidos no contexto brasileiro. Nesse sentido, temos como algumas das teorias do discurso forjadas em cadinho verde e amarelo, a Semiótica da Canção, proposta por Luiz Tatit; a Semântica do Acontecimento, proposta por Eduardo Guimarães; a Teoria dos Estereótipos Básicos e dos Estereótipos Opostos, proposta por Sírio Possenti; e a Teoria das Formas do Silêncio, proposta por Eni Orlandi. Todas essas teorias, embora tenham conversado, algumas mais, outras menos antropofolemicamente, com teorias desenvolvidas, sobretudo, na França do final dos anos 60 e 70 do século passado, possuem traços epistemológicos que são bem brasileiros. No nosso entendimento não se trata simplesmente de expansões para dar conta de dados específicos, ou de meras resoluções quebra-cabeças, para usar a terminologia khunniana (2003), são programas de pesquisa no sentido atribuído a esta metodologia por Lakatos (1977). As teorias e seus respectivos autores que elencamos anteriormente estão inscritas nos mais variados domínios dos estudos do discurso, isto é, elas não estão circunscritas somente aos domínios derivados da Análise de Discurso de orientação francesa, por exemplo. Elas vão de uma semiótica da canção a uma teoria dos estereótipos. Cumpre dizer que apesar de essas teorias terem o discurso como objeto de observação, cada uma delas constrói o seu objeto teórico de maneira bem diferente. Neste minicurso buscamos, por um lado, apresentar as quatro teorias discursivas brasílicas enunciadas anteriormente e, por outro, calibrar suas ferramentas teórico-metodológicas submetendo-as à análise de dados

distintos dos quais seus autores mobilizaram, objetivando testar ainda mais a sua heurística.

Bibliografia básica

ARGENMÜLLER, J. L,analyse du discours en Europe. IN: BONNAFOUS, S. & TEMAR, M. Analyse du discours et sciences humaines et sociales. Editions, Ophrys, Paris, FR, 2007.

BARONAS, R. L. Há alguma(s) via(s) para as teorias brasileiras do discurso fora das escolas francesa, eslava e anglo-saxônica. IN: BARONAS, R. L. As ciências brasileiras da linguagem: as teorias da(s) língua(s) brasílica(s). volume 01, 2012. No prelo para a publicação.

COURTINE, J. J. O discurso inatingível: marxismo e linguística (1965-1985). Trad. Heloisa Monteiro Rosário. Cadernos de Tradução, Porto Alegre, n. 6, 1999.

DUFOUR, F. & ROSIER, L. Analyse do discours à la française: continuités et reconfigurations. Revue Langage & Société, nº 140, Éditions de la Maison des sciences de l´homme, juin de 2012.

GUIMARÃES, E. Semântica do acontecimento. Campinas, SP: Pontes Editores, 2005.

GUILHAUMOU, J. Linguística e história: percursos analíticos de acontecimentos discursivos. São Carlos, SP: Pedro & João Editores, 2009.

HELSLOOT, N. et HAK Tony , « La contribution de Michel Pêcheux à l'analyse de discours » , Langage et société, 2000/1 n° 91.

KHUNN, T. A revolução copernicana: a astronomia planetária no desenvolvimento do pensamento Ocidental. Lisboa: Edições 70, 1990

_____. A estrutura das revoluções científicas. 7.ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2003.

LAKATOS, I. The Methodology of Scientific Research Programmes: Philosophical Papers Volume 1. Cambridge: Cambridge University Press, 1977.

_____. Mathematics, Science and Epistemology: Philosophical Papers Volume 2. Cambridge: Cambridge University Press, 1978.

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em Análise do Discurso. Campinas: Pontes & Editora da Unicamp, 1989.

MAINGUENEAU, D. & CHARAUDEAU, P. Dicionário de Análise do Discurso. São Paulo, Contexto, 2003.

MAINGUENEAU, D. A Análise do Discurso e suas fronteiras. IN: Revista Matraga, v. 14, nº 20, 2007.

NICOLELIS, M. Manifesto da Ciência Tropical: um novo paradigma para o uso democrático da ciência como agente efetivo de transformação social e econômica no Brasil. Disponível no site http://www.viomundo.com.br/entrevistas/nicolelis-lanca-manifesto-da-ciencia-tropical-vai-ditar-a-agenda-mundial-do-seculo-xxi.html

ORLANDI, E. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6 ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

POSSENTI, S. Humor, língua e discurso. São Paulo, Contexto, 2010.

TATIT, L. Semiótica da canção: melodia e letra, 3 ed. São Paulo, SP: Escuta, 2007.

MC-06                                                                      Aspect and Bare Nouns

 Susan Rothstein (Bar-Ilan University)

                   

This course will explore recent developments in the theory of aspect, exploring in particular the relation between the perfective/imperfective contrast and the telic/atelic contrast.  In the last decade, it has become clear that the mereologicalapproachto (a)telicitydeveloped by Krifka (1989, 2002, 1998), based on the contrast between quantization and cumulativity, is not adequate to explain the range of aspectual properties that VP predicates display (Zucchi and White 2001, Rothstein 2004).  This shows up in a number of places; in particular in the fact that many cumulative VPs are in fact atelic, and in the surprising ways in which bare nouns contribute to aspectual specification.

 

We will concentrate in this course on two apparently unrelated phenomena: the proper definition of homogeneity and the interpretation of bare nouns as kind-denoting expressions, and we will show that clarity on these two issues allows us to make a great deal of progress in understanding the aspectual properties of simple as well as more complex VPs.

 

We will begin (in the first class) by examining the notion of incremental homogeneity (Landman 2008,Landman and Rothstein 2012a,b), showing that incrementality in the wide sense is a property of both activity and accomplishment predicates. We will distinguish between incrementally homogeneous and incremental non-homogeneous predicates, showing how this relates to the atelic/telic distinction.  In the second class we will review the basis for interpreting bare nouns as kind terms (Carlson 1977), and then explore the interaction of kind-denoting bare nouns with verbal predicates from different lexical classes, seeing how kind terms can be arguments of both telic and atelic predicates (Landman and Rothstein 2010).  In the third class of the course, we will look specifically at the aspectual properties of VPs with bare singular complements in Brazilian Portuguese, and in particular explain how and when a bare singular can be the complement of a perfective predicate (Pires de Oliveira and Rothstein in press).

MC-50                                                               Multiletramentos e gêneros textuais

Acir Mário Karwoski

Universidade Federal do Triângulo Mineiro – UFTM

Laboratório de Estudos de Leitura, Fala e Escrita – LABELFE

Programa de Pós-Graduação – Mestrado em Educação – UFTM

O minicurso tem como objetivo implementar atividades de ensino de língua portuguesa  com práticas de leitura e de escrita em contextos dos multiletramentos. Os participantes serão convidados a idealizar propostas de ensino de leitura em ambiente digital tendo como referenciais os descritores do SAEB – Sistema de Avaliação da Educação Básica e estudos sobre letramentos, multimodalidade, generos textuais e cultura digital.

MC-11                      EL ANÁLISIS EXPERIMENTAL DE LAS PARTÍCULAS DISCUSIVAS

Óscar Loureda (Universitat Heidelberg)

 

Programa

1. EL GIRO COGNITIVO EN LA INVESTIGACIÓN SOBRE LAS PARTÍCULAS DISCURSIVAS
2. LA COMPRENSIÓN DEL LENGUAJE (Y DE LAS PARTÍCULAS DISCURSIVAS)
3. ASPECTOS BÁSICOS DE LA PERCEPCIÓN
4. EXPERIMENTOS SOBRE LAS PARTÍCULAS DISCURSIVAS DEL ESPAÑOL
5. RESULTADOS
6. BALANCE Y PERSPECTIVAS

Resumen

En el ámbito de la comunicación ostensivo-inferencial ni se da una descodificación automática ni existe una heurística perfecta. Si los enunciados son sometidos a cómputos inferenciales, entonces es natural que haya expresiones idiomáticas que restrinjan esas operaciones. Estas restricciones guiarían al oyente/lector hacia los efectos esperados y le ahorrarían esfuerzo de procesamiento (Blakemore 1997: 95). Las expresiones que guían la interpretación de las unidades con significado representacional son, como es sabido, las partículas discursivas (Portolés 2004). No son unidades “obligatorias”, sino índices intencionales, por lo que parece plausible que constituyan en la comprensión y en la producción textual un foco de atención singular. Esta es una hipótesis contrastada con numerosos trabajos descriptivos.
Una vía auxiliar de la descriptiva es la experimental. Las pruebas experimentales de carácter psicológico resultan una herramienta útil para comprobar reacciones (“costes de procesamiento”) a estímulos dados (textos). Desde este punto de vista, la hipótesis del párrafo anterior, ahora reformulada más concretamente como “las particulas discursivas restringen de forma determinante los cómputos que realiza la mente”, debe ser verificada con datos obtenidos de la observación de la conducta real de los hablantes en situaciones controladas. Frente a los abundantes datos de la lingüística descriptiva, los resultados de la pragmática experimental y de la psicolingüística en relación con las partículas discursivas son más bien escasos. De ahí que en el proyecto “Marcadores del discurso y cognición” de la Universidad de Heidelberg tengamos como objetivo medir experimentalmente la atención que las partículas discursivas exigen por parte del hablante, tanto en la comprensión de lo leído/oído como en la producción (sobre todo en procesos de traslación de planificación baja).
El interés que merecen las partículas desde el punto experimental está más justificado, si cabe, en la medida en que estas unidades “han sido antes otra cosa” (Briz, DPDE) (esto es, al gramaticalizarse han pasado de representar a dar instrucciones de procesamiento) y tienen una función en la comunicación más allá de la sintaxis supraoracional. Son, por ello, un banco de pruebas único para comprobar los modelos psicolingüísticos de comprensión de la palabra y de la “sintaxis” del enunciado, más allá de modelos centrados en la palabra y en la frase como hecho de lengua, y constituyen un argumento fuerte para justificar, como se insiste desde estudios relevantistas, que en el procesamiento de la información las inferencias no son contenidos periféricos de lo dicho, sino, al contrario, contenidos centrales.
En este minicurso queremos presentar someramente las hipotesis, los métodos y los resultados de un proyecto que pretende, en el fondo responder a una cuestión muy sencilla: ¿puede medirse cuánto (y cómo) condicionan las partículas discursivas en la comprensión de lo que se nos dice?


Referencias bibliográficas

Anula Rebollo, Alberto (1998): El abecé de la psicolingüística, Madrid, Arco/Libros.
Benazzo, Sandra, Christine Dimroth, Clive Perdue y Marzena Watorek (2004): “Le rôle des particules additives dans la construction de la cohésion discursive en langue maternelle et en langue étrangère”, Langages 155, 76-105.
Bialystok, Ellen y Fergus Craik (2010): “Cognitive and linguistic processing in the bilingual mind”, Current Directions in Psychological Science 19, 19-23.
Blakemore, Diane (1987): Semantic constraints on relevance, Oxford, Blackwell.
Blakemore, Diane (1988): “So as a constraint on relevance”, en Ruth M. Kempson (ed.): Mental representations: the interface between language and reality, Cambridge, Cambridge University Press, 183-195.
Blakemore, Diane (1992): Understanding utterances, Oxford, Blackwell.
Blakemore, Diane (1997): “Non-truth conditional meaning”, Linguistische Berichte 8, 92-102.
Bott, Lewis e Ira. A. Noveck (2004): “Some utterances are underinformative: The onset and time course of scalar inferences”, Journal of Memory & Language 51/3, 437-457.
Breheny, Richard, Napoleon Katsos y John Williams (2006): “Are generalized scalar implicatures generated by default? An on-line investigation into the role of context in generating pragmatic inferences”, Cognition 100, 434-463.
Briz, Antonio y Salvador Pons (2010): “Unidades, marcadores discursivos y posición”, en Óscar Loureda y Esperanza Acín (coords.): La investigación sobre marcadores del discurso del español, hoy, Madrid, Arco/Libros, 327-358
Briz, Antonio, Salvador Pons y José Portolés (coords.): Diccionario de partículas discursivas del español. En http://www.dpde.es.
Calvo, Manuel (2001): “Working memory and inferences: evidence from eye fixations during reading. Memory 9, 365-381.
Carpenter, Patricia A. y Marcel A. Just (1983): “What your eyes do while your mind is reading”, en Keith Rayner (ed.): Eye movements in reading: Perceptual and language processes, Nueva York, Academic, 275-307.
Carston, Robyn (2002): Thoughts and utterances: the pragmatics of explicit communication, Oxford, Blackwell.
Carston, Robyn (2004): “Relevance theory and the saying/implicating distinction”, en Laurence Horn y Gregory Ward (eds.): The handbook of pragmatics, Oxford, Blackwell, 633-656.
Duchowski, Andrew T. (2007[2003]): Eye tracking methodology: theory and practice, Londres, Springer.
Dunn, K. y Francis J Pirozzolo. (1984): “Eye movement in developmental dislexia”, en R. N. Malatesha y Harry A. Whitaker (eds): Dyslexia A global Issue, La Haya, Martinus Nijhoff Publishers, 90-95.
Feeney, Aidan, Susan Scrafton, Amber Dickworth y Simon Handley (2004): “The story of some: everyday pragmatic inference by children and adults”, Canadian Journal of Experimental Psychology 58, 90-101.
Fodor, Jerry (1983): The modularity of mind, Cambridge (Mass.), The MIT Press.
Foster, Ken I. (1976): “Accessing the mental lexicon”, en Robert J. Wales y Edward Walker (eds.): New Approaches to Language Mechanisms, Ámsterdam, North Holland. Versión en español en Francisco Valle y otros (1990): Lecturas de Psicolingüística, vol. 1, Madrid, Alianza.
Fuentes Rodríguez, Catalina (2003): “Operador/conector, un criterio para la sintaxis discursiva”, RILCE 19, 61-85.
Fuentes Rodríguez, Catalina (2009): Diccionario de conectores y operadores del español, Madrid, Arco/Libros.
Inhoff, A. W. (1994): “Two stages of word processing during eye fixations in the reading of prose”. Journal of Verbal Learning and Verbal Behavior 23, 612-624.
Irrazábal, Natalia y Carlos Molinari Marotto (2005): “Técnicas experimentales en la investigación de la comprensión del lenguaje”, Revista Latinoamericana de Psicología 37/3, 581-594.
Irwin, David E. y Laura A. Carlson-Radvansky (1996): “Cognitive suppression during saccadic eye movements”, Psychological Science 7, 83-88.
Just, Marcel y Patricia Carpenter (1980): “A theory of reading: From eye fixations to comprehension”, Psychological Review 87/4, 329-354.
Levinson, Stephen C. (2000): Presumptive Meanings. The Theory of Generalized Conversational Implicature, Cambridge (MA.), The MIT Press.
López García, Ángel (1988): La psicolingüística, Madrid, Síntesis.
López Serena, Araceli y Óscar Loureda (en prensa): „La reformulación discursiva entre lo oral y lo escrito:una aproximación teórica y experimental”, en Oralia, 19
Loureda, Óscar y Esperanza Acín (2010) (coords.): Los estudios sobre marcadores del discurso en español, hoy, Madrid, Arco/Libros.
Loureda, Óscar, Berty, Katrin, Harslem, Frank et al. In press. La particular focal incluso: una aproximación experimental. In Festschrift für Alberto Gil, Ursula Wienen, Vahram Atayan (eds.). Berna/Frankfurt: Peter Lang.
Loureda, Óscar y Laura Nadal (2011) „Dime dónde miras, y te diré qué comprendes: experimentos sobre la comprensión de las partículas discursivas”, Español Actual, 96.
Matin, Ethel (1974): “Saccadic suppression: a review and an analysis”, Psychological Bulletin 81. 899-917.
McClelland, James y David Rumelhart (1981): “An interactive activation model of context effects in letter perception, Part I: An account of basic findings”, Psychological Review 88, 375-407.
Montolío, Estrella (1998): “La teoría de la relevancia y el estudio de los marcadores discursivos”, en María Antonia Martín Zorraquino y Estrella Montolío Durán (coords.): Los marcadores del discurso. Teoría y análisis, Madrid, Arco/Libros, 93-119.
Morton, John (1979): “Word recognition”, en John Morton y John C. Marshall (eds.): Psycholinguistics Series II: Structures and Processes, Londres, Elek. Versión esp. en Francisco Valle et alii (1990): Lecturas de Psicolingüística (vol. 1), Madrid, Alianza.
Murillo, Silvia (2010): “Los marcadores y su semántica”, en Óscar Loureda y Esperanza Acín (coords.): La investigación sobre marcadores del discurso del español, hoy, Madrid, Arco/Libros, 241-280.
Noveck, Ira A. y Dan Sperber (2007): “The why and how of experimental pragmatics: The case of ‘scalar inferences’”, en Noel Burton-Roberts (ed.): Advanced in Pragmatics, Basingstoke, Palgrave, 184-212.
Noveck, Ira A. y Andrés Posada (2003): “Characterizing the time course of an implicature: an evoked potentials study”, Brain and Language 85, 203-210.
Noveck, Ira A. (2001): “When children are more logical than adults”, Cognition 78, 165-188.
Papafragou, Anna y Julien Musolino (2003): “Scalar implicatures: experimients at the semantics-pragmatics interface”, Cognition 86, 253-282.
Poole, Alex y Linden Ball (2004): “Eye Tracking in Human-Computer Interaction and Usability Research: Current Status and Future Prospects”, en Claude Ghaoui (ed.): Encyclopedia of Human Computer Interaction. Idea Group, en http://www.alexpoole.info/academic/Poole&Ball%20EyeTracking.pdf.
Pouscoulous Nausicaa, Ira A. Noveck, Guy Politzer y Anne Bastide (2007): “A developmental investigation of processing costs in implicature production”, Language Acquisition 14/4, 347-375.
Pons Bordería, Salvador (2004): Conceptos y aplicaciones de la Teoría de la Relevancia, Madrid, Arco/Libros.
Portolés, José (2001 [1998]): Marcadores del discurso, Barcelona, Ariel.
Portolés, José (2004): Pragmática para hispanistas, Madrid, Síntesis.
Rayner, Keith (1998): “Eye movements in reading and information processing. 20 years of research”, Psychological Bulletin 124/3, 372-422.
Rayner, Keith y Susan A. Duffy (1988): “On-line comprehension processes and eye movements in reading”, en Meredyth Daneman, George E. MacKinnon y Thomas G. Waller (eds.): Reading Research: Advances in Theory and Practice, Academic Press, Nueva York, 13–66.
Richardson, Dale R. et al. (2007): Eye movements in language and cognition: A brief introduction. http://www.eyethink.org/publications_assets/EMCL_RichardsonDaleSpivey.pdf.
Rumelhart, David y James McClelland (1982): “An interactive activation model of context effects in letter perception, Part II: The contextual enhancement effect and some tests and extensions of the model”. Psychological Review 89, 60-94.
Santos Río, Luis (2004): Diccionario de partículas, Salamanca, Luso-Española de Ediciones.
Schimke, Sarah, Josje Verhagen y Christine Dimroth (2008): “Particules additives et finitude en néerlandais et allemande L2: Une étude experimentale”. Acquisition et Interaction en Language Etrangère 26, 191-210.
Sperber, Deirdre y Dan Wilson (1995, 2.a ed.): Relevance, Oxford, Blackwell.
Valle Arroyo, Francisco (1992): Psicolingüística, Madrid, Morata.
Wilson, Dan (2003): “New directions for research on pragmatics and modularity”, UCL Working Papers in Linguistics 15, 303-324.
Wilson, Dan y Deirdre Sperber (2002): “Pragmatics, Modularity, and Mind-reading”, Mind and Language 17, 3-23.
Wilson, Dan y Deirdre Sperber (2004): “Relevance theory”, en Laurence R. Horn y Gregory Ward (eds.): The handbook of pragmatics, Oxford, Blackwell, 607-632.

 

EPISTEMOLOGIA E FILOSOFIA DA LINGUÍSTICA

Lígia Negri (UFPR)

Promover o contato com diversas correntes teórico-epistemológicas acerca da linguagem e refletir sobre como tais orientações têm consequências na delimitação dos objetos teóricos e na circunscrição das disciplinas internas à Linguística.

Programa:
1. A questão da delimitação do objeto da ciência: história da constituição do objeto.
2. Conceitos nucleares no interior de diferentes modelos teóricos: homogeneização versus diversidade do objeto.
3. Núcleo duro e periferia: a expansão do objeto e as zonas de fronteira.
4. As concepções ‘pós-modernas’ – final do século XX: a visão holística, a questão da indeterminação, os sistemas complexos.

BORGES NETO, J. Ensaios de filosofia da lingüística.São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
CASTILHO, A. T. Abordagem da língua como um sistema complexo: contribuições para uma nova Lingüística Histórica. In A. T. de Castilho / M. Aparecida C.T. Morais / S. M. Lazzarini / R. Vasconcelos (Orgs.) – Aquisição, Descrição e História do Português. Homenagem a Mary A. Kato. Campinas: Pontes / Fapesp, 2007.
MUSSALIN, F., BENTES, A. C. (orgs.) Introdução à lingüística: fundamentos epistemológicos, vol.3. São Paulo: Cortez, 2004. (caps. 2, 5 e 10)
NEGRI, L. Zona de fronteira: A delimitação entre a semântica e a pragmática sob a lente das expressões de polaridade negativa. Tese de doutorado, UFPR-Curitiba, 2006.
PINKER, S. Do que é feito o pensamento: a língua como janela para a natureza humana. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. (caps. 1 a 3)

 

Área da ABRALIN 2013

Local do Evento

Aproveite sua participação no Abralin 2013 e conheça as maravilhas de Natal.
Saiba mais »

Dúvidas?

Entre em contato conosco agora mesmo!
Fale Conosco »